Fórum Gamers

Comente sobre o que está jogando... no momento

0 Membros e 3 Visitantes estão vendo este tópico.

Online Baha

  • Gamers
  • Petabyte
  • ******
    • Posts: 3.434
  • Cientista maluco
    • Ver perfil
Não tem que reiniciar, tem que mudar seus personagens de jobs e ver qual combinação funciona. Essa é a progressão normal de jogos do tipo.

E uma dica, sempre (sempre) que vc for entrar numa "dungeon" (i.e. uma área que vc entra que vai enfrentar várias batalhas seguidas sem poder voltar pro world map até o final), sempre salve nos intervalos da dungeon num SEGUNDO slot. Sempre deixe um save no world map, caso vc dê de cara com uma batalha q simplesmente não consiga vencer, e precise sair, evoluir um pouco seus personagens, trocar alguns jobs e tentar de novo. Muita gente comete esse erro, principalmente quando luta contra chefes tipo Wiegraf e Elmdor. Se fizer merda vc fica numa situação impossível e tem que reiniciar o jogo desde o início, não importa se tava com 15 ou 20h já :mrgreen:


Offline Billy Lee Black

  • Gamers
  • Exabyte
  • *******
    • Posts: 6.151
    • Ver perfil
bla bla bla evolui 2 níveis só para pegar alguns JPs e comprar as habilidades básicas

Leia-se, grinding. I rest my case.

É isso que você não tá entendendo. Um bom game design num jogo desses é você tentar certas habilidades e, no caso de não dar certo, você poder trocar elas sem precisar evoluir do zero absolutamente nada. E isso o Divinity faz de forma exemplar. Se você não gostou da sua build, tem como resetar as habilidades sem perde o XP acumulado e simplesmente escolher outras.

No FFT pra você fazer isso, você tem que ir lá lutar lutinhas randômicas quando troca de Job pra poder acumular XP e poder testar outras habilidades. Isso em um jogo QUE DEPENDE DE VOCÊ FAZER ISSO E QUE FOI FEITO PRA ISSO.

Isso é um design ultrapassado. Na época era ok, mas hoje não cabe mais.

Você que se contenta com esses designs porcos antigos. Eu não. Hoje a oferta de jogos é grande demais pra eu perder tempo com isso.


Offline Billy Lee Black

  • Gamers
  • Exabyte
  • *******
    • Posts: 6.151
    • Ver perfil
Não tem que reiniciar, tem que mudar seus personagens de jobs e ver qual combinação funciona. Essa é a progressão normal de jogos do tipo.

E uma dica, sempre (sempre) que vc for entrar numa "dungeon" (i.e. uma área que vc entra que vai enfrentar várias batalhas seguidas sem poder voltar pro world map até o final), sempre salve nos intervalos da dungeon num SEGUNDO slot. Sempre deixe um save no world map, caso vc dê de cara com uma batalha q simplesmente não consiga vencer, e precise sair, evoluir um pouco seus personagens, trocar alguns jobs e tentar de novo. Muita gente comete esse erro, principalmente quando luta contra chefes tipo Wiegraf e Elmdor. Se fizer merda vc fica numa situação impossível e tem que reiniciar o jogo desde o início, não importa se tava com 15 ou 20h já :mrgreen:


HAHAHAHA, obrigado Baha. Eu ainda ia comentar isso, como mais um exemplo de design datado desse jogo, mas você poupou o meu tempo.


Online Baha

  • Gamers
  • Petabyte
  • ******
    • Posts: 3.434
  • Cientista maluco
    • Ver perfil
Lembrando que eu não compartilho (eu acho, como disse faz muito tempo que joguei) da sua abominação pelo jogo, só estou apontando contradições e mentiras nos argumentos do outro lado.


Offline Strife

  • Gamers
  • Terabyte
  • *****
    • Posts: 1.312
    • Ver perfil
É isso que você não tá entendendo. Um bom game design num jogo desses é você tentar certas habilidades e, no caso de não dar certo, você poder trocar elas sem precisar evoluir do zero absolutamente nada.

Tipo... FFT? Não sei da onde vc tirou que tem que evoluir do zero, já que vc mantém toda a EXP e JP de todos os jobs, nada "volta ao zero" quando vc muda, ainda mais considerando que vc sempre pode equipar skills úteis de outros jobs que não o seu principal, isto é, vc está sempre evoluindo várias coisas ao mesmo tempo. Nunca "volta pro zero".

E volto ao meu ponto, que vc nega: vc acha que uma simples troca de estratégia, que leva no máximo uns 15-20 minutos (e olha que isso é num RPG/Estratégia relativamente complexo) como grinding. Esses 15 minutinhos conseguindo alguns JPs para o Ramza se preparar melhor para a luta contra Wiegraf se traduziu em ganhos em EXP, JP e Gil pro grupo todo, o que por si só já avançou minha progressão e vai me poupar de fazer isso no futuro. Sim Billy, a não ser que vc leia um FAQ, é comum vc encontrar um inimigo difícil, e PERDER, para ver o que vc precisa evoluir diferente, daí voltar e tentar de novo de outro jeito. Isso não é grinding e vc insistir nisso volta a parecer aquilo que eu disse, que qualquer pequeno empecilho na hora de progredir um jogo, como encontrar um chefe difícil, morrer, e alterar sua estratégia, já é chato pra vc. Assim eu não vejo como jogar nada, na real.

E repito, Divinity é mil vezes mais convoluto e burocrático que FFT, que possui uma interface simples e limpa:



Enquanto isso a UI de Divinity é uma zona tão grande, e é sempre um saco abrir cada habilidade e ver aquelas planilhas de Excel explicando de forma convoluta o que na vdd é bem simples, parece que tô jogando LoL:



Sem condições. Dizem que o 2 melhorou muito, e fiquei tentado porque tem coisas que gostei no Divinity (como os gráficos, o visual), mas quando vi vídeos me pareceu a mesmíssima coisa. Já lido com planilhas de Excel o dia todo no trabalho, não quero fazer isso quando vou jogar. Eu volta e meia dou chances para RPGs ocidentais, mas é quase sempre essa decepção pelas mesmas razões, raríssimo ter coisas na qualidade de um Witcher 3 ou Mass Effect :glare:


Offline Billy Lee Black

  • Gamers
  • Exabyte
  • *******
    • Posts: 6.151
    • Ver perfil
Enquanto isso a UI de Divinity é uma zona tão grande, e é sempre um saco abrir cada habilidade e ver aquelas planilhas de Excel explicando de forma convoluta o que na vdd é bem simples, parece que tô jogando LoL:

Velho, tu me fez abrir o jogo aqui.

Isso é uma planilha???



LOL.

Colorido, de fácil visualização e informação clara. No FFT você precisa apertar select pra ele mostrar UM TEXTO simples dizendo o que a habilidade faz.

Agora sua fãboyzice foi longe.


Offline Strife

  • Gamers
  • Terabyte
  • *****
    • Posts: 1.312
    • Ver perfil
Sim, multiplica isso por 100x que é o que vc lida nesse jogo que parece trabalho :lol:

Enquanto isso, FFT, nas suas próprias palavras, é SIMPLES. Direto ao ponto, sem frescura. O contrário de convoluto como vc disse antes. Prefiro mesmo apertar select e ler uma simples frase kkk.

Mas isso não é um problema de Divinity só, é de RPG ocidental em geral mesmo. É tudo essas UIs zoneadas, Lembro de quando tentei jogar Planescape Torment, desisti na primeira batalha só pela UI. Sem condições.

Olha essa merda, sério:



Eu, que amo ler, tenho preguiça de falar com um simples NPC de Divinity, pela interface tosca, texto burocrático, verborragia e poluição visual a cada 5 passos. Credo. Me sinto trabalhando mesmo.

Enquanto isso, em FFT...



Colírio para meus olhos.


Offline SunStar

  • Gamers
  • Petabyte
  • ******
    • Posts: 2.953
  • Engineer
    • Ver perfil
E, Raptor, esse é o foda. Você ser obrigado a acertar um caminho sem nem conhecer o jogo. Se eu fiz escolhas ruins sem nem saber, agora eu tenho que reiniciar o jogo então? Tenho mais saco pra isso não. Prefiro deixar esse tipo de jogo no passado.

Não tem que reiniciar, tem que mudar seus personagens de jobs e ver qual combinação funciona. Essa é a progressão normal de jogos do tipo. Novamente, vc considera a coisa mais básica de um videogame, que é morrer e tentar de novo, como defeito ou erro de design kkkkk se aprende é assim, ninguém sabe qual combinação é a melhor quando se inicia o jogo a não ser se ler um FAQ (o que tira a graça). Vc tá avançando com um grupo, chega num ponto que não consegue passar e muda sua estratégia. Num RPG/Estratégia. De acordo com o inimigo q vc enfrentou, vc tinha que lutar com ele, e perder, para ver o que vc precisa alterar na sua estratégia né. Tipo, a coisa mais normal do mundo, progressão lógica e natural de eventos.

Eu lembro de quando cheguei no Wiegraf pela primeira vez e meu Ramza não vencia ele de jeito nenhum, daí eu carreguei meu save do world map, mudei meu Ramza para um Monk (boa sugestão do Raptor, Monk é uma das melhores classes iniciais, e se juntar com um Ninja é uma combinação devastadora), evolui 2 níveis só para pegar alguns JPs e comprar as habilidades básicas, coisa de 15-20 min, enquanto fiz isso já se acumula Gil simultaneamente para melhorar os equips, voltei pra luta e venci. Mas vc fica aí chorando :rolleyes:

Mano, eu no seu lugar nem vg jogava mais, mas se um dia vc quiser jogar algum Souls e fazer um stream, me chama q eu assisto :lol:

E a interface de Divinity é uma das piores e mais convolutas que já vi na vida. Até em batalha. Nunca vi ter que mexer em planilha de Excel só pra organizar inventário e dar item pra outro personagem, credo. É por isso que 99% dos RPGs ocidentais continuam insuportáveis, é raro a exceção de algo de qualidade como Witcher 3 (q vc não gosta kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk). FFT é muito superior no design, mas muito.

Acho que o Strife resumiu muito bem aqui o que é um RPG/Estratégia pro Billy. Nada muito diferente do que vivenciei em Fae Tactics. Quando enfrentei o primeiro chefe apanhei algumas vezes até entender direito como funciona a resistência elemental do jogo. Em várias outras ocasiões aconteceu algo similar, isto é, a necessidade de ter que revisar a estratégia dependendo dos seus oponentes. Aliás, FT tem seu Orlandu também...


Offline Strife

  • Gamers
  • Terabyte
  • *****
    • Posts: 1.312
    • Ver perfil
- A história é super densa, séria, pesada, cheia de política e com muito build up lento, mas parece que acabou prazo/verba lá perto do final e simplesmente amarram nas coxas pra acabar logo. Ficou parecendo seriado quando os roteiristas ficam sabendo faltando 3 episódios pra acabar a temporada que não vai ter renovação.

Concordo em parte. Eu acho que no final a história saiu um pouco das guerras e políticas e caiu mais num lance... FF? Encontrar pedras mágicas para enfrentar um mal etc. Mas não me pareceu corrido, talvez mais uma imposição para "deixar mais parecido com FF", não sei. Mas se tem algo que compensa isso, é o epílogo, que é fantástico e traz de volta pra parte interessante, fácil uma das melhores cenas da série inteira.

https://www.youtube.com/watch?v=eVt-RPdkJOw

O epílogo mesmo começa em 6:00. Eu diria pro Billy não ver por razões de spoilers, até pq se visse sem ter o contexto não ia entender ou achar nada demais mesmo.


Online Baha

  • Gamers
  • Petabyte
  • ******
    • Posts: 3.434
  • Cientista maluco
    • Ver perfil
O lance FF começou a aparecer lá no meio do jogo. E bem devagar, bem aos poucos, se entrelaçando um pouco com as tramas políticas. Tinha um ritmo muito particular essa impregnação do mundo do jogo pelos elementos fantásticos e sobrenaturais, focados na aparição uma a uma das zodiac stones e seus efeitos. As situações finais do jogo quebraram completamente esse ritmo e vomitaram quase tudo de sobrenatural que ainda estava na fila meio que de uma vez na trama. Isso é uma das coisas que eu me lembro mais claramente sobre a história do jogo.


Offline Billy Lee Black

  • Gamers
  • Exabyte
  • *******
    • Posts: 6.151
    • Ver perfil
Como larguei o FFT, avancei no meu backlog.

Comecei Celestian Tales Old North, que eu tinha pegado em alguma promoção. O visual dele lembra um pouco o Amber Throne, com cenários desenhados à mão e estáticos. Achei bonito.

Por enquanto to curtindo.






Acho que o Strife resumiu muito bem aqui o que é um RPG/Estratégia pro Billy. Nada muito diferente do que vivenciei em Fae Tactics. Quando enfrentei o primeiro chefe apanhei algumas vezes até entender direito como funciona a resistência elemental do jogo. Em várias outras ocasiões aconteceu algo similar, isto é, a necessidade de ter que revisar a estratégia dependendo dos seus oponentes. Aliás, FT tem seu Orlandu também...

Então o Fae Tactics se você perde um combate você também precisa voltar e lutar combates randômicos pra poder comprar novas habilidades de outras classes? Esse que é o meu problema com esse jogo e não o fato de simplesmente mudar estratégia e tentar o combate de novo.

E cabe citar também, que não é possível pular cutscenes. Então toda vez que você tenta um combate de novo, tem que rever toda a cutscene que antecede a batalha novamente.

São essas coisas datadas que eu reclamo. O jogo foi feito pra você ficar na tentativa e erro, mas ele não foi implementado condizente com esse fim.


Offline Strife

  • Gamers
  • Terabyte
  • *****
    • Posts: 1.312
    • Ver perfil
Sim, quando vc morre vc tem que tentar de novo de outro jeito. Um jogo e tal.


Offline SunStar

  • Gamers
  • Petabyte
  • ******
    • Posts: 2.953
  • Engineer
    • Ver perfil
Fae Tactics não tem sistema de classes. Como citei na minha avaliação do jogo, ele é altamente baseado na parte elemental. Quando você utiliza um elemento forte contra outro (terra contra vento, por exemplo) além de causar mais dano, você leva menos. Foi o que fiz para derrotar o primeiro chefe, que tinha por volta de 10x mais hp que os inimigos que vinha enfrentando antes...

As opções de customização que o jogo oferece são armas diferentes (cada arma tem um elemento associado a ela), pergaminhos (bônus em habilidades) e recentemente foram adicionados gemas (não sei dizer o que fazem, não joguei novamente para conferir, uma vez que deveria iniciar novamente o jogo para poder obter os novos itens).

Neste ponto de vista, ele é bem mais simples que Final Fantasy Tactics. Entretanto, FT tem um dificuldade maior e pode ser mais frustante em algumas batalhas. Vai haver batalhas onde nem a vantagem elemental pode ser totalmente suficiente para garantir a vitória. Claro, posso estar errado já que faz muito tempo desde quando joguei FFT.

Praticamente não fiz grinding em Fae Tactics, porém fiz todas as side quests (ou quase todas).

Sim, quando vc morre vc tem que tentar de novo de outro jeito. Um jogo e tal.

A definição de loucura é tentar a mesma coisa e esperar um resultado diferente :mrgreen:


Offline Billy Lee Black

  • Gamers
  • Exabyte
  • *******
    • Posts: 6.151
    • Ver perfil
Mas você não me respondeu. Pra mudar a estratégia e tentar usar outras habilidades, você precisa lutar combates randômicos pra juntar XP e comprar essas outras habilidades/items (ou seja, grinding)?


Offline Strife

  • Gamers
  • Terabyte
  • *****
    • Posts: 1.312
    • Ver perfil
Lutar num RPG para avançar normalmente e mudar sua estratégia não é grinding Billy, mas eu desisto :lol:

Eu queria algo no estilo do Punch Club, e encontrei Karate Master 2: Knock Down Blow. E estou viciado de novo, realmente gosto dessa mistura de sim com artes marciais (razão que eu era viciado no primeiro Kengo de PS2 tb). Porém, enquanto Punch Club reproduzia RPGs de turno nos combates, Karate Master 2 é um jogo de luta 2D, e muito bom. Na vdd fazia muito tempo que eu não me divertia tanto num jogo de luta 2D assim, apesar que com o sistema de dano por áreas e modificadores de golpes, eu diria que está mais para Fight Night do que Street Fighter. Vc precisa treinar, e trabalhar para conseguir dinheiro para lutar nos torneios, para conseguir fama e poder lutar em mais torneios, e ir ficando mais forte (mas é beeem mais simples nessas coisas que Punch Club). Qual a pala desse mundo com empilhadeiras em portos? Se eu quisesse isso ia jogar Shenmue porra :lol:



Mas as lutas realmente são muito boas, vc tem que observar e aprender como cada oponente se comporta, para defender, fazer parry, focar onde ele está com mais dano etc. Há tipos de torneios diferentes que alteram sua estratégia tb. Perdi eras até vencer, evoluir e aprender a jogar direito até vencer o meu primeiro torneio, Billy iria odiar :hmmlol: